Participe / Participate

Participe enviando contribuições (filmes, textos, links, dicas, etc ...) para antrocine@gmail.com

Send contributions to antrocine@gmail.com

terça-feira, 5 de junho de 2018

“Sem Deuses, Sem Mestres: História do Anarquismo”. Tancrède Ramonet (França, 2016)

Quer entender o que é o anarquismo? sem os preconceitos embutidos pelo estado e pelo capitalismo (e pela esquerda institucional tb rs)? Assistam uma ótima introdução ao anarquismo. E Divulguem (antes que tirem do ar...rs)!


-------------

 

Recentemente foi disponibilizado o filme “Sem Deuses, Sem Mestres: História do Anarquismo”, dirigido por Tancrède Ramonet, legendado em português. O documentário realizado em três partes – de 52 minutos cada – busca retomar os principais acontecimentos dos últimos 150 anos de História Social, resgatando as origens e ações realizadas em nome do ideal político que tem lutado contra deuses e mestres. 

A partir de materiais de arquivo, além de vasta documentação, reconta a história do movimento anarquista internacional, de Paris a Nova Iorque, e de Tóquio a Buenos Aires.

Os episódios estão disponíveis online nos links abaixo:
1840-1906 – A paixão por destruição: https://youtu.be/x_L99OFlOh8
> 1907-1921 – Terra e Liberdade: https://youtu.be/cEMFuf3iWds
> 1922-1945 – Em memória do derrotado: https://youtu.be/JiZ1rhsbAYk

E para download (via torrent) em melhor qualidade no link: https://goo.gl/d3B576

Para download via torrent sugerimos a utilização do software qbittorrent, disponível para download em https://www.qbittorrent.org/

Biblioteca Terra Livre
bibliotecaterralivre.noblogs.org

Conteúdos relacionados:


Chapéu
divide a cabeça
do céu
Cláudio Fontalan

terça-feira, 13 de março de 2018

CINE COMUNITARIO ARGENTINO. MAPEOS, EXPERIENCIAS Y ENSAYOS.




Andrea Molfeta:
Porque venceremos con amor, aquí va el primer fruto de este grupo de investigación que adoro, CINE COMUNITARIO ARGENTINO. MAPEOS, EXPERIENCIAS Y ENSAYOS.

Estudios de casos paradigmaticos, ensayos sobre el cine de los barrios como continuidad del Tercer Cine, como respuesta al neoliberalismo y como revolucion molecular.
 

DESCARGA GRATUITA EN PDF!

https://www.teseopress.com/cinecomunitarioargentino/

Buena lectura! Compartan, por favor!

En su versión impresa, puede comprarse en www.editorialteseo.com

segunda-feira, 5 de março de 2018

Vem aí mais uma edição do Festival de Cinema Anarquista de Barcelona (call for contribuición)

Saudações anarco-cinéfilos!



Este ano voltamos a nos animar para uma nova edição do Festival de Cinema Anarquista de Barcelona (FCAB), no fim de semana de 12 de maio de 2018 na La Cinetika (vila de San Andreu).


Assim que voltamos a fazer um chamado para se desejas, contribuir com propostas, seja de longa-metragens, curtas, documentários, trailers/teasers, animação, stop-motions, pós-pornô, realities shows, etc.


Recordemos as condições mínimas:

1) O material deve ser de temática anarquista;

2) Ou ser produzido por individualidades/coletivos anarquistas;

3) Ou haver sido criado anarquicamente.


Se priorizará material recente e autogestionado, e obviamente não caberá conteúdo machista, racista, especista, trans/homofóbico, nem de qualquer merda.


Ao fazer a seleção dos trabalhos a se exibir, também se convidará seus criadores e criadoras a fazer uma pequena apresentação durante o FCAB.


Para nos contactar, escreva para o e-mail: cineanarquistabcn@gmail.com.


O blog em breve estará em funcionamento.


Longa vida ao cinema anarquista!


PS: Outros anos trabalhamos mais o texto de apresentação, perdoem agora, a culpa é do 155.

Conteúdo relacionado:

agência de notícias anarquistas-ana
manhã
me ilumino
de imensidão
Giuseppe Ungaretti
 
Artigos relacionados: 
 
Postagens relacionadas: 
http://antrocine.blogspot.com.br/2015/11/um-criativo-novembro-todxs-noviembre.html
http://www.antrocine.blogspot.com.br/2015/07/convocatoria-para-envio-de-filmes-iv.html  
 http://www.antrocine.blogspot.com.br/2015/04/3-festival-de-cinema-anarquista-de-madri.html
http://antrocine.blogspot.com.br/2014/12/festival-mundial-das-resistencias-e-das_20.html
http://antrocine.blogspot.pt/2013/07/louise-michel-rebelde-franca-solveig.html
   http://www.antrocine.blogspot.com.br/2013/04/somos-as-imagens-que-vemos.html    
http://www.antrocine.blogspot.com.br/2012/02/curta-o-carnaval-ou-nao.html

domingo, 4 de fevereiro de 2018

ZINE-SE: ANARQUISMO E AUDIOVISUAL


ANARQUISMO E AUDIOVISUAL: DISPONÍVEL PRA DOWNLOAD O PRIMEIRO NUMERO DO NOSSO ZINE!

Dessa vez no papel, um pouco de história e muitas de nossas inquietações e questionamentos sobre o fazer audiovisual como ferramenta nas lutas anarquistas e libertárias. Compartilhamos aqui as experiências e idéias que foram surgindo no decorrer desses anos conspirando produções em vídeo e organizando o Festival do Filme Anarquista e Punk em SP e edições itinerantes. O zine é uma publicação conjunta dos projetos Do Morro Produções e Anarco-Filmes, que organizam há seis anos o Festival em SP, e foi lançado em dezembro de 2017 na VI edição do Festival, que rolou no Centro de Cultura Social.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

I Congresso Internacional de Cine e Identidades

I Congreso Internacional de Cine e Identidades
Industrias Culturales, Flujos Musicales y Discursos Transnacionales
Universidade de Oviedo - Espanha
De 31 de maio a 1º de junho de 2018
INSCRIÇÕES ABERTAS
(até o dia 1º de março)




+ Infos: https://congresocineidentidad.wordpress.com/

sábado, 2 de dezembro de 2017

[...nos mantemos sempre em movimento, sempre criando, rompendo, construindo e subvertendo nossos contextos...]



Nos dias 2 e 3 de dezembro, neste fim de semana, ocorre na capital paulista o “VI Festival do Filme Anarquista e Punk de SP”. Para falar um pouco dessa sexta edição, conversamos com Marina Knup, uma das organizadoras do Festival. Confira a seguir.

Agência de Notícias Anarquistas > E aí, qual é a expectativa para mais uma edição do Festival do Filme Anarquista e Punk de SP? Tudo pronto?
Marina Knup < Quase tudo pronto, os corres nunca acabam! (risos) Mas esse ano vamos organizar o Festival pela primeira vez no Centro de Cultura Social, um espaço autônomo que tem muitas contribuições históricas pro anarquismo na cidade, e com essa mudança de local, também mudamos um pouco algumas dinâmicas da estrutura do evento, buscando experimentar outras formas pro Festival. Então vão ser novos aprendizados pra gente também!

ANA >Você tem notado um crescimento na produção de filmes anarquistas-libertários-antiautoritários no Brasil, mundo afora? Qual é a importância do Festival no incentivo à produção desse tipo de obra?
Marina < Cada vez mais a linguagem do audiovisual tem sido usada com as mais diversas finalidades em movimentações punks, anarquistas e libertárias em geral, seja na produção de filmes, seja dando outros usos às câmeras. E isso para muito além de apenas um círculo de pessoas com conhecimentos acadêmicos ou técnicos mais profundos - a ideia de faça-você-mesma se aplica muito ao audiovisual: pessoas e coletivos que sentem a necessidade de expressar suas ideias e propostas por meio do vídeo, e que se aventuram a aprender na prática.
Todos os Festivais de filmes anarquistas e punks mundo afora, assim como os cineclubes e outras mostras de filmes fora dos circuitos comerciais, contribuem muito na difusão destas produções – que para além da internet nem sempre encontram um circuito constante de exibição. A partir do momento em que estes Festivais e circuitos de exibição alternativa dão visibilidade às produções especificamente focadas no anarquismo, trazendo reflexões sobre como se dão essas produções e tantas outras inquietações a respeito, com certeza, acabam cumprindo também este papel de incentivar novas produções.
Quanto ao nosso Festival aqui em SP [São Paulo] e as mostras itinerantes que fizemos em outros estados do Brasil, ficou bastante visível que isso realmente acontece – seja por algumas pessoas que todos os anos produzem um curta ou filme para lançar durante o Festival anual, seja pelas mostras que vão surgindo em outros locais e que apoiamos sempre que podemos.

ANA > O público vem crescendo com o passar das edições?
Marina < Isto na verdade não tem sido algo constante. Em algumas edições muitas pessoas circularam durante os dias de Festival, em outras menos – e sempre tem as que comparecem todos os anos. Em partes avaliamos estas variações de frequência como consequência de épocas com muitas atividades e movimentações sociais pela cidade, ou mesmo por mudanças de locais mais ou menos distantes, dentre outros pontos. Mas sem dúvida, as duas primeiras edições foram as mais cheias!

ANA > Quais são os filmes em destaques do Festival deste ano?
Marina < Acho que todos os filmes merecem destaque, já que enquadram o anarquismo/punk/feminismo de diversos contextos diferentes, compartilhando vivências distintas e que sempre agregam muito a nós que estamos em outros contextos ainda. Esse ano vão rolar tanto filmes feitos no nordeste do Brasil sobre movimentações okupas e anarcopunks, quanto filmes em memória a companheirxs que morreram no Chile em duas ocasiões distintas, documentários sobre movimentações libertárias e DIY no Equador, São Paulo, Europa, e outros especificamente focados no protagonismo das mulheres no punk inglês, em suas comunidades latinas nos EUA, ou em guerra em Rojava, além de curtas experimentais que focam os processos de gentrificação, a necessidade de mudanças, ou problematizando o discurso de “mais amor” a partir da ótica anarquista. Enfim... a programação completa está no nosso site – anarcopunk.org/festival! Dêem uma olhada e assistam os filmes se possível, parte deles já está na internet, outra parte deve ir mais pra frente. (risos)

ANA > A maioria dos filmes são ficcionais ou documentários? Aliás, os documentários dominam a cena, não? É mais "barato" produzir um documentário que um filme ficcional?
Marina < Este ano quase todos os filmes são documentários, mas em anos anteriores recebemos muitos filmes experimentais e de ficção, que renderam sessões específicas para dar mais destaque a eles. Realmente a linguagem documental tem sido muito mais usada, pelo menos no que conhecemos de produções recentes. Acho que um ponto pode ser realmente a questão de ser mais “barato” - embora tenham pessoas fazendo ficção/experimentais de forma faça-você-mesma, contando só com a criatividade e força de vontade. Mas, acho que talvez um outro ponto é que tem-se dado muita importância ao audiovisual como forma de registro de nossas histórias, memórias e iniciativas passadas ou recentes – e aí as pessoas acabam encontrando no documentário uma boa ferramenta pra contar tudo isso.

ANA > Como uma das organizadoras do Festival, quais são as dificuldades encontradas para viabilizá-lo e como seria possível facilitar a realização desses eventos em outras cidades?
Marina < Como fazemos absolutamente tudo de forma faça-você-mesma, sem financiamentos, editais ou verbas, e somente contando com nossas próprias forças, as dificuldades são muitas. Temos que pensar em todo o processo de inscrições de filmes, depois seleção dos filmes inscritos – o que as vezes gera bastante debate interno -, traduções e legendagem para os filmes em outros idiomas, organização da programação, divulgação, produção do catálogo e impressão de material gráfico, camisetas, bottons, etc. – pra não dizer todo o trampo nos próprios dias de Festival. E somos sempre poucas pessoas fazendo muitas coisas!
Nos últimos anos temos tentado apoiar ao máximo a realização de Festivais em outras cidades, então como falei numa pergunta anterior, chegamos a fazer várias mostras itinerantes em parceria com coletivos locais, levando os filmes que exibimos nos Festivais daqui – o que rolou em Brasília, Natal, São Luís, Salvador, Recife, Goiânia, e também uma mostra em solidariedade ao nosso Festival rolou em Berlin somente com filmes sobre a realidade libertária na América Latina. Nosso apoio, nesse sentido, sempre tem sido o de compartilhar filmes, ideias e reflexões – sempre buscando fortalecer a movida de cada lugar.

ANA > O Festival é totalmente autogestionado, não?
Marina < Sim! Ele tem sido organizado desde o princípio pela Anarco-Filmes (projeto audiovisual que levo adiante) e Do Morro Produções, sempre também com apoio e participação de indivíduos de outros coletivos e de pessoas que colam nos dias de Festival para ajudar a gente em todos os corres – como o Projeto Espremedor, que tem apoiado a gente com os equipamentos e corres técnicos desde a primeira edição. E todo o processo de organização dele, como falei na pergunta anterior, é feito de forma autogestiva, faça-você-mesma e horizontal – buscando coletivamente soluções para os problemas e necessidades da organização.

ANA > Para terminar, ainda há muitas histórias anarquistas para contar, ou seja filmar? (risos) Tem alguma história anarquista em especial que gostaria de levar para a telona?
Marina < Acho que sempre vão existir histórias anarquistas pra contar, a partir do momento em que nos mantemos sempre em movimento, sempre criando, rompendo, construindo e subvertendo nossos contextos... E se isso é contínuo, sempre vão surgir novas experiências e aprendizados, coisas que podem ser compartilhadas com outras pessoas. E o registro disso sempre será importante, o vídeo é um meio de capturar estes momentos e memórias, e o alcance disso foge totalmente do nosso controle, o que é muito potente.
Eu especificamente estou há alguns bons anos filmando um documentário sobre a história da movida anarcopunk no Brasil dos anos 90. Muita história pra contar, muita gente Brasil afora pra filmar, e por fim viraram 102 entrevistas que agora vou começar a editar. No momento é nessas histórias que estou focada em contar, mas as ideias de outras produções estão sempre borbulhando na cabeça! (risos)

ANA > Mais alguma coisa?
Marina < Valeu mais uma vez pelo espaço e apoio de sempre! Pra contatos com a gente é só escrever pro festival@anarcopunk.org! Abraços y resistência anarcopunk!

S e r v i ç o:
VI Festival do Filme Anarquista e Punk de SP
Quando: 2 e 3 de dezembro de 2017. Onde: Centro de Cultura Social (CCS-SP). Endereço: Rua General Jardim, 253 – Sala 22. Metrô República, São Paulo (SP).
 

Mais infos: anarcopunk.org/festival

Conteúdo relacionado:
https://noticiasanarquistas.noblogs.org/…/confira-a-progra…/

Sobre a água
um lindo reflexo
O ipê-amarelo
Ana Carolina Alves dos Santos
 
Artigos relacionados: 
 
Postagens relacionadas: 
http://antrocine.blogspot.com.br/2015/11/um-criativo-novembro-todxs-noviembre.html
http://www.antrocine.blogspot.com.br/2015/07/convocatoria-para-envio-de-filmes-iv.html  
 http://www.antrocine.blogspot.com.br/2015/04/3-festival-de-cinema-anarquista-de-madri.html
http://antrocine.blogspot.com.br/2014/12/festival-mundial-das-resistencias-e-das_20.html
http://antrocine.blogspot.pt/2013/07/louise-michel-rebelde-franca-solveig.html
   http://www.antrocine.blogspot.com.br/2013/04/somos-as-imagens-que-vemos.html    
http://www.antrocine.blogspot.com.br/2012/02/curta-o-carnaval-ou-nao.html

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Axé do Acarajé, Pola Ribeiro e Raul Lody. (Bra$il, 2015)


DA SÉRIE "O DENDÊ ESTÁ FERVENDO" CONVIDO a CONHECER O NOSSO "AXÉ DO ACARAJÉ":

É UM AMPLO E EMOCIONADO RELATO COM VÁRIAS VOZES DOS TERREIROS, DE CANDOMBLÉ, DAS IRMANDADES, DAS BAIANAS DE ACARAJÉ, UMA ETNOGRAFIA DE BASE SOBRE O TEMA NA BAHIA.

Raul Lody